Quer aprender Webstandards? Leia um livro do “Maujor”!

Dinossauro do CSS. Assim é conhecido o Maurício Samy Silva, autor de 5 livros e com um a caminho, que será lançado em junho de 2011! Conheci o seu trabalho através do site que ele mantém sobre técnicas de CSS e Padrões Web, o maujor.com. Confesso que recorri muitas vezes os seus tutoriais para resolver problemas nos meus sites! Seus artigos moram nos meus favoritos e vivem “estrelados” por aqui nos browsers! Por causa disso, claro que me senti tentado a comprar um de seus livros, a galera fala muito bem deles na web e resolvi comprar o “Construindo sites com CSS e (X)HTML” numa promoção na época e hoje farei uma resenha dele pra vocês. Continue reading

Como “Viver de Design”?

Entre 2002 e 2003 eu trabalhava na Editora e Gráfica GPI, do grupo GPI de ensino como designer gráfico numa pequena equipe de 8 pessoas. Éramos 4 designers, 1 revisor, 1 gerente, 1 mecanografista e 1 auxiliar. Na época nosso trabalho consistia em digitar, diagramar apostilas, criar imagens vetorizadas de gráficos didáticos, fazer capas, cartazes, comunicados e qualquer coisa que fosse necessário uma arte gráfica. Era um trabalho imenso, mas era bem legal, a equipe era afinada e um dia era completamente diferente do outro, mesmo obedecendo um rígido e prévio calendário anual.

Nessa época eu comecei a fazer meus trabalhos freelancer em casa nas horas vagas, tanto de design gráfico, quanto de webdesign. A experiência de produção que eu adquiri nessa empresa era enorme e eu me sentia estimulado para ganhar uma “graninha legal” todos os meses, mas o fato é que eu não sabia como. Os projetos pintavam de indicação de amigos, mas na verdade eram bem poucos e com o passar do tempo fui ficando frustrado. Lia sempre nos blogs de vários designers a evolução de seus trabalhos e eu sempre na mesma. Foi aí que eu conheci o livro “Viver de Design” do Gilberto Strunck, professor da UFRJ. Continue reading

GTD – A arte de fazer acontecer (Eu já sabia!!)

Responda rápido e honestamente: quem aqui consegue zerar a caixa de e-mail todos os dias? Se sua resposta foi “sim”, parabéns, você é uma exceção! Mas se você respondeu “de vez em quando”, ou “nunca”, não se sinta mal. Você faz parte do grupo de pessoas que não conhecem a metodologia GTD ou não leram o livro “A arte de fazer acontecer” de David Allen da editora Campus.

O livro fala sobre a metodologia “Getting things done” ou simplesmente “GTD”, que efetivamente salvou a minha vida de webdesigner freelancer, ajudando a gerenciar as tarefas do meu dia-a-dia.

Quando eu digo salvou a minha vida, eu quero dizer num aspecto bem amplo mesmo. A metodologia tem como princípio básico que você deve organizar todas as suas demandas num sistema confiável, para que a sua mente esteja livre para executar a tarefa mais eminente sem se preocupar com as outras tarefas seguintes. Por exemplo: muitas pessoas tem o hábito de fazer uma lista de tudo que pretendem fazer no dia. Elas escolhem uma tarefa (em geral a que mais gostam, ou menos pior!!), executam e depois de concluída, escolhem outra. A questão é: Se no fim do dia você deixar de concluir uma ou duas tarefas, qual tarefa você fará primeiro no dia seguinte? E por quê? Como você gerencia esse acúmulo? E se o seu chefe disser no meio do dia que quer uma tarefa que você não estava fazendo “para ontem”, como você administra essa pressão? São estas questões é que trata a metodologia GTD. O objetivo central é administrar todas as tarefas deixando você focado na que estiver fazendo. O resultado é simples. Sucesso!!! Continue reading

Entendendo “a cabeça de Steve Jobs”

Capa do livro A cabeça de Steve Jobs

Capa do livro A cabeça de Steve Jobs

“Design é função, não forma.”

Essa frase citada no livro “A cabeça de Steve Jobs” de Leander Kahney, é sem dúvida nenhuma a síntese de como pensa uma das mentes mais brilhantes do mercado da indústria tecnológica que já existiu. Os conceitos da cabeça desse homem mudou o comportamento de toda uma geração. Ao contrário do que pensam vários fanboys por aí, eu tenho consciência de que ele não fez tudo isso sozinho. Bill Gates tem uma enorme parcela na revolução mundial causada pelos computadores pessoais e junto com Jobs, seja concorrendo ou em parceria como hoje, o Mundo não é mais o mesmo depois do que foi feito nos últimos 40 anos.

Antes de fazer a minha resenha sobre o livro quero mostrar como e quando conheci Steve Jobs e sua Apple.

Em 2001, um pouco antes do atentado ao World Trade Center, eu fui trabalhar como operador de telemarketing num curso web numa empresa que já não existe mais justamente para subsidiar o meu curso. Eu era muito novato e pouco sabia sobre Internet e computadores. Fiz rapidamente amizade com os instrutores da casa, que pelo fato de eu ser funcionário estavam sempre me mostrando as tendências e variações do mercado web da época. E foi lá que eu vi o iMac pela primeira vez. Fiquei encantado com aquela obra de arte! Ele tinha uma cor que eu não conseguia destinguir. O mouse era estranho de manipular e o menu era em cima, no topo da tela. Confesso que nunca esqueci a sensação de usá-lo naquele dia. Foi lá também que um dos instrutores, vendo a minha admiração pelo iMac me emprestou uma fita VHS (isso mesmo! Eu não tinha DVD player) do filme “Pirates of Silicon Valley” que contava a história da criação da Apple por Steve Jobs e Steve Wozniak e o surgimento da Micro-soft (era com hífem na época) de Bill Gates, e como o Mundo foi raptado pelos microcomputadores e suas engenhocas. Continue reading